Notícia - Colégio Santo Inácio promove live sobre cyberbullying

Foto

Dentro do programa de fortalecimento da Cultura do Cuidado, o Colégio Santo Inácio (CSI) promoveu uma live, na noite desta segunda-feira (26/10), sobre 'Cyberbullying e educação para uso responsável das redes'. Mediado pela orientadora educacional do CSI Sabrina Bonfatti, o bate-papo teve a presença do diretor de Educação da ONG SaferNet Brasil, Rodrigo Nejm.

 

Doutor em Psicologia e pesquisador da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Nejm respondeu a diversas dúvidas enviadas pelos seguidores no Instagram do Colégio. “O cyberbullying é um tipo de intimidação, de humilhação, de agressão sistemática e repetitiva que acontece entre crianças e adolescentes, com viés de desigualdade de poder”, explica Nejm.

 

Ele destaca que o maior desafio na compreensão e no combate ao cyberbullying decorre do fato de que ele acontece em uma fase em que o internauta está aprendendo os limites de convivência e as regras sociais. “É muito comum que o bullying e o cyberbullying morem naquela linha cinzenta entre o que é uma brincadeira ou zoeira e o que começa a se tornar intimidação ou algum tipo de discriminação. A linha é muito tênue. No caso do cyberbullying, pode ser uma hashtag, um emoji, um comentário ou uma marcação numa foto. Até não marcar em uma foto pode gerar um transtorno enorme ao jovem do ponto de vista da relação social, que passa, cada vez mais, pela internet”, alerta.

 

Surgiram muitas dúvidas também sobre como lidar quando o filho sofre ou pratica o cyberbullying e de que maneira os responsáveis podem ajudar a criança ou adolescente nesses dois casos. O especialista reforçou a importância de os pais participarem da vida digital dos filhos. “Isso não é vigiar nem espionar, mas sentar junto, navegar junto, descobrir os conteúdos que seu filho gosta e mostrar o que você curte também. Fazer esse diálogo sobre as experiências digitais na família é um assunto que precisamos ampliar”, ressalta. 

 

O cyberbullying está sendo trabalhado, neste trimestre, pelo projeto de Mentoria com os alunos do 4º ao 8º anos do Ensino Fundamental. Os estudantes discutiram sobre identidade virtual, a relação que eles têm com os dispositivos eletrônicos e também a noção de felicidade.

 

No 5º ano, eles puderam expressar seus sentimentos ao lidar com imagens que falavam da relação dos humanos com os dispositivos eletrônicos. Partilharam também sobre como estão lidando com felicidade e tristeza neste momento de distanciamento social. Fizeram, ainda, um mapa da felicidade e contaram para os colegas suas experiências sobre o tema.

 

Para falar de cyberbullying, os estudantes do 6º ano refletiram sobre o assunto e fizeram trabalhos em grupos. Durante essa construção coletiva, eles pesquisaram, levantaram dados sobre o tema e fizeram slogans e músicas.

 

Já o 7º ano teve como primeira abordagem uma conversa sobre memes: como o que se posta achando que é engraçado circula na rede e afeta a vida das pessoas. Os alunos viram algumas imagens que ganharam as mídias pelo humor, mas refletiram sobre cada uma delas. Tiveram também um debate sobre a temática do filme ‘O dilema das redes’. Como conclusão do trabalho, a psicóloga Claudia Gindre participou de uma live com os alunos para abordar o assunto.

 

A Mentoria é um espaço de encontro pedagógico com os estudantes que traz questões com as quais eles podem lidar ao longo da vida e faz um chamado para que reflitam sobre diferentes assuntos. Desta forma, o CSI contribui para a formação integral dos alunos, contemplando as dimensões acadêmica, socioemocional e espiritual-religiosa. A live está disponível em nosso perfil no Instagram. Para assistir, clique aqui.